Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Bang Bang

Há anos que o movimento do desarmamento infantil se esforça em uma política pública de livrar as crianças de armas de brinquedo. E tem tido sucesso. No passado era comum os presentes de aniversários com brinquedos imitando revolveres, facas, metralhadoras, espadas e outras armas. Aparentemente eram brinquedos inofensivos e raramente machucavam alguém. Mas ajudavam a construir a mentalidade de um dia se possuir uma arma de verdade. Pais, professores, voluntários e entidades empenhadas no desarmamento se organizaram e conseguiram até mesmo a aprovação de um dia nacional do desarmamento infantil. É rara a venda desses brinquedos. Até as lojas de miniaturas tiram as maquetes militares das vitrines.

Uma vez por ano as crianças são incentivadas a entregar as suas armas de brinquedo. Foram elas que inspiraram a lei que incentiva os adultos a entregarem as suas armas de fogo verdadeiras. Educar as crianças para que eduquem os pais. Há uma lei que proíbe  a venda de brinquedos que sejam confundidos com armas de fogo verdadeiras. Há um movimento para que a venda de games violentos também seja proibida. Toda essa política tem o objetivo de diminuir a violência na sociedade.

O lobby da indústria de arma vai em outra direção. Discorda dessas iniciativa, uma vez que produz um produto e precisa vender. Então porque não começar com as crianças? Lançaram na internet um gibi para ensinar as crianças, de um modo divertido que, se eventualmente, encontrarem armas de fogo em casa. As armas de brinquedo podem e devem ser utilizadas como instrumento de aprendizagem a segurança, segundo a revistinha infantil. Para isso criaram o robozinho Superlegal. O gibi é da Associação Nacional da Indústria de Armas e Munições. Atrás de uma historinha aparentemente inocente, educativa e para evitar aciddentes a indústria armeira faz o papel contrário das entidades que patrocinam o desarmamento infantil.