Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Uma nova doença

Cientistas descobriram uma nova doença que graça em alguns prédios públicos , é a TPE. Não deve ser confundida com a TPM, a tensão pré menstrual. A nova e perigosa doença ataca as casas legislativas no ano que antecede a eleição, é a tensão pré eleição. Deixa todo mundo louco, parlamentares, assessores, auxiliares, maçanetas, ajudantes, agregados, aparentados, cabos eleitorais, escribas, marqueteiros,   personal trainings, manicures, cabelereiros, massagistas, barbeiros, engraxates e outros serviçais nomeados sem concurso público. Todo o batalhão está em apuros. O parlamentar pode não se reeleger e deixar todos na desconfortável situação de ter que trabalhar. Uma humilhação para quem já experimentou essa mordomia. Ninguém merece. A TPE é uma doença diferenciada. Não é para ser tratada em qualquer unidade do SUS, mas em um hospital de primeira linha, que atende a elite econômica e política . Médico do SUS nem sabe que tratamento dar a essa rara doença, por isso vai ter que fazer dois anos de estágio.

A TPE não se espalha de maneira igual pelos parlamentos. É muito mais intensa na assembleia legislativa e na câmara federal. No senado, nem tanto, uma vez que ele se submete a ela a cada quatro anos, de um terço e dois terços. Assim, dá uma quebrada no ambiente que já é carregado, neurótico e desgastante. Os deputados federais e estaduais vivem o dia a dia da TPE roem todas as unhas, consultam cartomantes e outros videntes, aconselham-se com os magos do marketing eleitoral e fazem todas as promessas para os santos disponíveis. Nessa época os santos tem trabalho dobrado. São acionados dia e noite para dar assistência de toda ordem. Haja vela, incenso, rezas, ladainhas, cânticos, búzios, mantras, tantras e tudo o que puder ajudar. Por que não?Há um remédio que nenhuma TPE resiste. É um caixa dois bem gordinho. Com doações sem recibo vindas de voluntários que devolvem os favores recebidos durante o mandato. Tudo em dinheiro vivo. Nada de cheque, nem cartão de crédito, nem de cuecas turbinadas. Isto já não funciona mais.  É o auge do toma cá, paga lá. Com tão potente remédio genérico, sem marca de origem, as campanhas fluem melhor. Há um asáfana desgastante no dia a dia, com o desengavetamento de projetos e o catálogo de promessas perpétuas. É a hora de divulgar o fim do voto secreto, do plano de saúde caríssimo, do carro com motorista, com a verba de gabinete, com os auxílios moradia, paletó , viagem, estadia, mamadeira e qualquer outro que possa atrapalhar a visão do eleitor. Este  é o senhor dos anéis, e do voto. Pode podar uma carreira dedicada ao interesse público ou adubar mais um profícuo mandato legislativo. Abaixo a TPE. Viva a TPM.