Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Carta aberta de um ex-funcionário a Silvio Santos: Será que agiríamos assim com nosso ex-empregador?

Um dos grandes apresentadores da história da televisão brasileira, o saudoso Jota Silvestre foi o precursor de um tipo de programa que fez muito sucesso, sobretudo durante os anos de 1970 e 1980.

Com um programa de perguntas e respostas chegou a alcançar pico de audiência de 84 pontos. Algo fabuloso naquele tempo e inimaginável hoje em dia.

Após alguns anos afastados da televisão, no começo dos anos de 1980, Jota Silvestre voltou a TV ao ser contratado pelo SBT, onde novamente passou a apresentar seu programa de perguntas e respostas.

Sua vida profissional no SBT, no entanto, não durou muito tempo, e logo mudou de emissora, indo para a Rede Bandeirantes de Televisão.

Pessoa estilosa, Jota Silvestre era um verdadeiro “gentleman”.

Difícil imaginá-lo agindo de forma áspera com quem quer se seja.

Talvez apenas uma imagem, difícil afirmar.

Logo em seu programa de estreia na Bandeirantes, Jota Silvestre surpreendeu a todos.

Ao longo de quase 12 minutos, passou a ler uma carta aberta ao seu ex-empregador, Silvio Santos.

Passou a explicar em detalhes todos os motivos que o fizeram trocar de emissora.

Destacou fatos tais como a falta de recursos para pagamento dos prêmios oferecidos por seu programa, o que, segundo ele, teriam sido embolsados por ele mesmo.

Em alguns casos, prêmios de falso valor teriam sido entregues.

Afirmou que suas solicitações de aumento salarial para os membros de sua equipe só foi aceito, quando ele já tinha mudado de emissora, como se tivesse sido apenas uma subterfugio para que eles não o acompanhassem a nova emissora.

Ao final, o mais absurdo de tudo, segundo ele, foi o fato do SBT ter adquirido os direitos do nome do programa que ele apresentava desde a década de 1950.

Pois bem.

Talvez o fato não tenha ocorrido justamente desta forma.

Quem sabe Silvio Santos e sua equipe tenham agido de outra maneira?

A verdade pode ter mais de uma versão.

No entanto, há algo que deve ser ressaltado, Jota Silvestre foi corajoso.

Por mais que soubesse na efetiva possibilidade de estar fechando as portas do SBT, foi a publico e deu sua versão.

Talvez sequer tivesse pensado nos eventuais desdobramentos que tal fato poderia causar.

Talvez nem precisasse mais daquilo para sobreviver.

Seja o que for certamente algo é possível aprender com este fato.

O dia a dia das corporações nos ensina que sempre devemos deixar as portas abertas.

Por mais que tenhamos críticas efetivas sobre algo, alguém ou alguma instituição, o fato de “não sabemos o dia de amanhã” tende a pontuar nosso comportamento.

Como se tivéssemos que engolir os aborrecimentos de forma silenciosa.

Aliás, alguns dizem que isso é inteligência emocional.

Será mesmo?

O quanto agir de forma a pensar em eventual demanda futura realmente nos faz seguir em frente?

Apagar de nossa mente situações como esta, normalmente é muito difícil.

Se desabafar não é o mais racional, o que fazer?

Pois é, o que fazer?

Agir com o coração não é salutar.

Devemos pensar, sem que, no entanto não percamos nossa essência.

Para quem quiser eis o depoimento de Jota Silvestre sobre seu ex-empregador: http://www.youtube.com/watch?v=LRgHfRKVjKE