Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Depois de você, os outros são os outros e só

Todos devemos ter objetivos e metas bem definidas para a nossa vida profissional e pessoal.
O fato de possuirmos metas claras faz com que possamos ter o melhor entendimento sobre o motivo pelo qual desenvolvemos certas atividades e assumimos determinados papeis.
Algumas vezes em muita situações não temos uma clareza sobre o porque estamos fazendo determinadas atividades tão pouco o que resultará delas.
Não há dúvidas que existem algumas condições e necessidades que podem servir como justificativas para que, apesar de discordamos, tenhamos que assumir certas posturas.
No entanto, independentemente de gostarmos ou não daquilo que fazemos, é essencial que tenhamos um plano de ação claro a ser desenvolvido em prol do atendimento daquilo definimos como meta.
Por mais que tenhamos um papel a desempenhar dentro de uma organização, é necessário que sempre consideremos os nossos interesses pessoais e profissionais. Isto não quer dizer, que iremos agir de forma egoísta e simplesmente ignorar o interesse coletivo. Não é isso.
A questão é que jamais podemos nos sabotar e aceitar certas situações que vão ferir aquilo que acreditamos ser o melhor caminho. Se uma organização coloca um profissional em determinada condição, onde ele deverá tomar uma atitude que entre em conflito com aquilo que ele acredita, o que deve ser feito?
Muitos acreditam que uma negativa pode proporcionar alguma sanção por parte da empresa. O que pode ser temerário a um profissional, ainda mais quando existem necessidades e pendências financeiras em sua vida pessoal.
Pois bem, se formos considerar que sempre haverá alguma justificativa, razoável, que fundamente este tipo de submissão, podemos chegar a conclusão que estamos fadados a sempre precisar engolir.
A verdade, no entanto, está muito longe disso, pois este tipo de insatisfação pode nos consumir de tal forma, que poderá provocar efeitos muitos mais devastadores que qualquer outro tipo de sanção.
O fato de considerarmos os nossos pontos de vistas e crenças é uma forma de garantir que iremos nos respeitar o que por incrível, algumas vezes esquecemos. Para que possamos contar que alguém nos respeite, primeiro devemos nos respeitar.
Quanto ao título do artigo, é apenas uma licença a uma música dos anos de 1980.