Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Inovar não é buscar novas ideias

 

O discurso fácil e evidente.

O entendimento de um determinado status, sem que haja qualquer fundamento.

O tocar a frente qualquer atividade, sem se atentar as metas.

Estas três situações são bem comuns no dia a dia de qualquer profissional.

Fugir delas é desafiador.

E nos dia de hoje, é inovar.

Pois é, o conforto sobre nossas atuais condições de trabalho é uma ancora.

Possui o efetivo poder de impedir nosso crescimento.

Nos fixa em determinada posição.

E de lá não saímos.

E então surge o óbvio.

Os gritos, aos quatro cantos, sobre a necessidade de buscar melhorias.

Novos caminhos.

Reduzir custos.

Ideias que nos farão sair do lugar comum.

Enfim, inovar.

Pode ser paradoxal, mas esta sequência (meio óbvia) não é verdadeira.

Associar o novo, a novidade o ineditismo com inovação é buscar...

O discurso fácil e evidente.

O entendimento de um determinado status, sem que haja qualquer fundamento.

O tocar a frente qualquer atividade, sem se atentar as metas.

Acho que você já leu isso no começo do texto.

Há muitos exemplos que nos remete justamente ao contrário.

Soluções de entendimento comum resultam inovações importantes.

O resgate de pequenas práticas e ações pode fazer com que saíamos do lugar comum.

Podem levar profissionais e suas empresas a condições únicas.

Alguns anos atrás, por exemplo, li sobre um camelô que passou a ter mais sucesso em suas atividades profissionais, quando passou a se diferenciar de seus concorrentes.

O que ele fez?

Passou a se vestir como se fosse um executivo.

O olhar das pessoas era que ele estava se diferenciando.

O camelô não teve qualquer nova ideia.

Apenas passou a se vestir da mesma forma como inúmeros executivos que passavam a frente de seu ponto de comércio, diariamente.

Buscou algo que o aproximasse a eles.

Estreitou uma relação.

Bombou...

Inovou, sem que qualquer nova ideia fosse aplicada.

Apenas, sim, a observação.

E, o que é mais importante, pôs o “bloco na rua”.

Pode ter certeza, diariamente, temos milhares de oportunidade de fazer o mesmo.

Olhemos para o nosso lado...