Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Inquietações e Verdades sobre Lições Aprendidas.

A crença de que o aprendizado é um importante motor propulsor em prol da perpetuação das melhores práticas, bem como uma forma eficiente de evitar que desvios anteriormente ocorridos voltem a se repetir, faz com que os processos relacionados com Lições Aprendidas sejam considerados os mais relevantes no atual mundo corporativo.

Ao tomarmos como referências as premissas básicas de aprendizagem, tem-se a certeza de que os conhecimentos, competências e habilidades, e até mesmo valores e comportamentos só podem ser incorporados por um ser humano a partir de iniciativas estruturadas em sequência, o que torna intrínseco a existência de um processo de aprendizado. Daí se enfatiza a certeza de que lições só podem ser aprendidas através de um processo, no caso, de aprendizagem.

Inadvertidamente, no entanto, o que se nota no dia a dia, é que o tema lições aprendidas costuma receber uma perigosa simplificação o que torna, até mesmo, a sua relevância muito discutível. Para alguns, elas acontecem ao se promover um encontro, normalmente ao final de alguma etapa, entre as equipes que participaram de um determinado projeto. Já outros acreditam que lições aprendidas são registros feitos ao longo do desenvolvimento de certas atividades. Por fim, há ainda aqueles que apostam na construção de bancos de lições aprendidas, como uma solução tecnológica que garanta a sua existência.

Por ser processo, obviamente, a simples adoção de iniciativas, por mais interessantes que sejam, não resultam a eficácia esperada, uma vez que elas se tornam pontuais, ainda que bem programadas, e não obedecem os fundamentos básicos que garantem o aprendizado. O afamado ”um passo de cada vez”. Parte dele pode acontecer a partir de observação, mas é fato também que não se consegue aprender apenas olhando. Também aprendemos algo com bons exemplos. Mas, ainda que sejam os melhores, isto não é o suficiente para inseri-los em nosso dia a dia. Similarmente, ao se ter acesso aos registros de situações vividas, apenas toma-se ciência, muito pouco para se falar em aprendizagem.

É inegável que o aprendizado exige observação, exemplo e ciência. Três coisas essenciais, mas longe de serem suficientes para constatarmos lições aprendidas. Também não demanda a presença de certas formalidades. Apesar disso, cabe sim considerarmos que pequenas doses desses elementos, uma vez em conjunto e complementares, poderão trazer avanços interessantes e fazer com que os colaboradores incorporem os ingredientes essenciais, a vontade de incorporar algo no seu modo de agir e/ou até mesmo, simplesmente considerar o que já aconteceu, uma vez que isso, por si só, já mostra a disposição a mudar, a evoluir, a incorporar novas práticas, premissas básicas de qualquer processo que visa o aprendizado.

Quando falamos de lições aprendidas, não estamos admitindo tecnologias, ainda que elas sejam importantes meios para propagação de dados, informações e conhecimentos. Tão pouco estão sendo considerados programas formais de capacitação e treinamento, elementos básicos para a formação dos colaboradores, mas longe de serem eficazes como meios em prol da perpetuação das melhores práticas e da prevenção dos equívocos.

Lições aprendidas estão envolvidas com gente, processo, disposição para olhar à frente sem deixar de considerar o rastro deixado. Certamente, algo bem factível e ao alcance de quem almeja trazer bons resultados como fim e não como meio.