Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Interações entre o Gerenciamento de Riscos e a Gestão do Conhecimento.

“Identificação, análise e gestão dos fatores potenciais que causam impactos em projetos”, resumidamente este pode ser um dos conceitos alinhados a uma demanda tão presente no dia a dia do gerenciamento de projetos, a análise e gestão de riscos. Tendo em vista a possibilidade deles serem positivos, os chamamos de oportunidades, o que similarmente também estão presentes às expectativas dos projetos.

Em nosso país, o tema passou a ter mais relevância junto as organizações, pelo menos, a ponto de estar presente em suas rotinas, mais precisamente quando as demandas pelo desenvolvimento de projetos, sobretudo no ramo da construção civil, se tornaram compartilhadas entre os setores públicos e privados. Em tempo, cabe lembrar que as empresas costumavam contar como recursos essenciais, para recuperar perdas por equívocos ocorridos, os chamados “claims”, em português, as reclamações, tão frequentes e que, em grande quantidade, tinham o poder de reverter o fracasso de um projeto em grande sucesso e, o mais importante, gerador de receita. Com a inserção do capital privado, uma vez que o público nem sempre era respeitado de forma devida, tal artíficio precisou receber status de exceção, restrito apenas às questões totalmente imponderáveis não cabíveis de identificação nas análises de riscos e/ou consideradas como de risco assumido pelo cliente.

Por conta disso, convencionou-se a inserção dos clientes, os solicitadores dos serviços, em todo este processo, o que se levado ao extremo, tem como fundamento básico, muito mais, dirimir surpresas desagradáveis, do triunvirato, qualidade, custo e prazo, que qualquer outro intento. Ainda assim, um entendimento cabível. Importante admitir que a estruturação de um processo voltado para tal considera conceitos e práticas que fundamentam outro tema muito importante em uma empresa, a gestão do conhecimento.

O motivo para esta correlação ainda que para muitos seja óbvia, também está associada a própria dinâmica presente durante a prática de qualquer metodologia de gestão de riscos. Daí se nota. A fonte essencial que potencializa o levantamento e a identificação dos temas, em riscos chamados domínios, se baseia naquilo que foi registrado, quer seja explicitamente ou tacitamente pelos profissionais e stakeholders envolvidos. É possível afirmar que é plenamente inexequível fazer qualquer análise de risco sem que haja, ainda que minimamente, o gerenciamento dos conhecimentos e experiências adquiridas e desenvolvidas ao longo das atividades e projetos realizados.

Estas interações tão presentes entre temas que parecem, quando vistas de maneira assustadoramente míope,distantes, é que torna tão importante uma análise crítica sobre quais os verdadeiros objetivos que os movem. No caso, a gestão de riscos pode ser abraçada como um processo, estruturado a partir dos conhecimentos e experiências adquiridas, para a identificação, análise e gestão dos fatores potenciais causadores de impactos e oportunidades em projetos.

Conceitos, ainda que, muitas vezes teóricos, fundamentam a eficiência e eficácia de qualquer processo organizacional.