Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Meu tio João, um anjo na terra.

Santa Isabel é uma pequena cidade que fica por volta de 60 quilômetros de São Paulo

Embora esteja localizada na prospera região do Vale do Paraíba, seu crescimento ficou comprometido por não estar “grudada” a rodovia Presidente Dutra (cerca de 10 Km a separam dela)

Por outro lado este isolamento acabou por fazer com que passasse a ser conhecida como a Cidade Natureza.

Um verdadeiro paraíso repleto de chácaras e sítios.

Desde muito pequeno passei a frequentar esta cidade.

Juntamente com meus irmãos e pais íamos visitar um de nossos poucos parentes que vivia em São Paulo.

Nascido na cidade de Russa, no Ceará, conterrâneo de meu avô Felipe, de quem era primo, João Mascarenhas escolhera Santa Isabel para viver.

Casado com Benedicta, passou a trabalhar em uma empresa que atuava no setor de couro, a Franqueza, ainda na década de 1960.

Costumávamos ir para lá aos domingos pela manhã.

Meu pai tinha um grande sentimento de gratidão por meu tio João.

Quando meu pai chegara a São Paulo ainda em 1959, a pedido de meu avô, meu tio João o levou para morar com ele.

Ex-seminarista, meu tio João tinha uma sólida formação católica e seus valores, certamente, foram muito importantes para o meu pai durante os tempos que viveram juntos.

Foram muitos anos de convívio, quase semanais.

Em 1981, meu pai foi transferido para Manaus e fomos morar por lá.

Os contatos passaram a ser muito esporádicos e apenas por telefone.

Em janeiro de 1987, estávamos em São Paulo novamente.

Minha irmã prestaria vestibular. Quanto a mim, tinha a intenção de ficar por aqui.

Estávamos em 5 pessoas (minha mãe e quatro filhos), já que meu pai ficara em Manaus.

Por conta de uma acontecimento inusitado, na manhã de um certo dia, ficamos sem lugar para ficar.

Meus pais teriam que buscar uma solução rápida para aquela situação. Muito possivelmente seria o caso de irmos para um hotel ou coisa parecida.

Foi Deus que iluminou e nos colocou de volta em contato ao meu tio João, ainda naquele dia.

Ele foi direto ao assunto e quase que exigiu que fossemos para lá.

Fazia quase 7 anos que não nos vínhamos.

Quando chegamos lá, era como se tivéssemos nos vistos no dia anterior.

Mais uma vez lá estava ele para nos confortar.

Acabei morando na casa dele durante 1 ano.

Quase que uma repetição do que acontecera com meu pai, quase 30 anos atrás.

Um presente para sempre.

Neste domingo, dia 1° de março coube a Deus chamá-lo.

Filho de Antonio e Maria.

Irmãos de Agostinho, Ambrósio , Luiz, Julio e José . 

Marido de Benedicta.

Pai de Maurício, Denise, Gláucia e Mateus.

Avô de muitos netos.

Anjo de todos aqueles que foram presenteados com o seu convívio.

O Céu recebe João Mascarenhas.