Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

O Lean, mais do que uma prática nas organizações

Conceito que tem origem ainda como evolução do modelo Toyota de produção, desenvolvido logo após o término da II Grande Guerra Mundial, o Lean tem invadido as organizações como sendo a verdadeira bola da vez dentre as práticas de excelência a serem adotadas por qualquer empresa que busca crescer e se perpetuar.

Tendo em vista vislumbrar maiores possibilidades e iniciativas efetivas de aplicação, cabe ressaltar algumas peculiaridades muito próprias. O sistema desenvolvido por Taiichi Ohno, executivo da empresa japonesa, responsável pelo modelo de produção que mudou a gestão industrial no século XX, compreende, além do Lean Manufacturing, o Just-in-time, Kankan e o Heijunka.

Uma vez traduzido o Lean Manufacturing recebe a denominação de Manufatura Enxuta e foca sua atuação na redução de desperdícios, dentre os quais se destacam: a super produção, o tempo  de espera, o transporte, o excesso de processamento, o inventário, o movimento e os defeitos. De forma equivalente estes cuidados quanto à necessidade de uma gestão enxuta foram levados para outras áreas de atuação, daí surgir, outros Leans, tais como o Lean Construction, que de forma similar busca a qualidade total, a minimização de desperdícios, a melhoria contínua, a flexibilidade e a agilização dos processos pull, aqueles onde os clientes comandam o ritmo das etapas construtivas, o que a principio garantiria a minimização de estoques.

Já o Just-in-time cuja espinha dorsal está alinhada a premissa de se produzir e/ou construir algo tão somente quando estritamente necessário, também permeia os preceitos que fundamentam o Lean, bem como de todo Sistema Toyota de Produção, a redução de custos e estoques, sejam eles quais forem, desde recursos materiais, a partir das mais básicas das matérias primas, até os recursos de mão de obra, com a manutenção de equipes enxutas formadas por profissionais mais produtivos.

Voltando para a história de Taiichi Ono, ainda nos anos 1940 ele desenvolveu, para alguns apenas aperfeiçoou, um sistema que daria condições aos profissionais controlarem de forma mais simples e, o mais importante, muito visual, todo o fluxo de materiais que compõem qualquer processo produtivo, o Sistema Kanban. Ao contrário do que muitos autores erroneamente andaram disseminando, o Kanban por si só não é o próprio Just in Time, no entanto é impossível que este aconteça, sem que os conceitos que o fundamenta não estejam presentes.

Enfim o Heijunka, que em tradução livre significa o nivelamento da produção, busca converter a instabilidade da demanda dos clientes, que é justamente o que foi citado acima neste texto, o processo pull, a partir de técnicas que buscam ter como síntese central a excelência na gestão da demanda.

É fato que a proximidade dos conceitos sinaliza a existência de eventuais áreas de sobreposição, o que se levando ao pé da letra pode significar, até mesmo, algum desperdício no uso de recursos. Sejam eles quais forem, no entanto, ainda assim, ao tratarmos a questão produtividade que em síntese é a efetiva razão de se promover quaisquer destas práticas, todo o esforço ou excesso é válido.