Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

O melhor ano de nossas vidas

Filha de Manoel e Angelzinda

Nasceu Noelzinda.

Uma junção dos nomes.

Minha avó.

Pessoa cheia de bondade natural.

Uma senhora bonachona.

Para nós, a Vovó Noel.

Éramos 11 netos.

Para ela, dezembro era o grande mês do ano.

Mandava colocar luzes coloridas na enorme árvore que ficava ao lado da casa.

Contratava uma empregada para aquele mês.

Pois os filhos, noras e netos passariam o Natal e a passagem de ano por lá.

Eram quase 20 pessoas a mais na casa.

Algo bem família.

Especialmente, muito nordestino.

Uma confusão.

Dá para se imaginar.

E sempre que passávamos próximo ao quarto da minha avó, ela estava rezando.

Todo ano, a mesma coisa.

Um dia resolvi perguntar, porque ela rezava tanto.

Ela respondeu, que era para agradecer.

Então tá bom.

Não cabia em mim, o que ela tanto agradecia.

Até que um dia, ela resolveu explicar melhor (ou eu entendi).

Para ela, poder estar com toda a família ao final do ano era o maior dos presentes.

Justificava tudo o que acontecera durante o ano.

De bom ou de menos bom.

O ano era o melhor justamente pois ao final deles, todos estávamos juntos.

Quando meu avô partiu para o andar de cima, cheguei a pensar que esta lógica deixaria de existir.

Um grande equívoco.

Ele continuava presente e em contato direto através do Interlocutor Maior, Deus.

Sempre juntos e isso continua até hoje, mesmo quando não estamos juntos fisicamente.

O coração é o nosso condutor.

Acreditar nisso é algo maior que simplesmente aceitar.

É ter a convicção que sempre estaremos unidos.

E esta longevidade fortalece uma certeza.

Todos os próximos anos são melhores que os anteriores.