Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Qual a sua formosura?

 Atributo de uma pessoa formosa, palavra que vem do latim “formosus” e que significa bela ou harmoniosa forma, formosura é muito mais do que um estado momentânea, algo que pode vir a se tornar perene.

A forma pode nos remeter a algo que vive dentro de cada um de nós e, desta maneira, nos afastar as simples qualidades físicas que são, certamente, de menor valia. Por conta disso, alguém formoso possui uma série de atributos que tem origem em si e que explode no exterior de maneira inteiramente embriagante.

Assim como a beleza, a formosura possui uma série de características que as define. Por outro lado, ao contrário dela, dificilmente permite o uso de recursos externos para definir a sua presença. Explico. Sabemos que algumas pessoas se tornam belas através de cirurgias em certos atributos físicos. De vez em quando estes processos, na verdade, projetos, tendem a ser dolorosos e os resultados absolutamente momentâneos e temporários. Outras vezes, pessoas nascidas belas, com o passar do tempo, precisam se submeter a elas para que continuem assim. Já os formosos, assim o são, por conta de uma cirurgia que vem de dentro, diretamente do seu coração e amolda junto as suas ações. Seus processos são contínuos e sem data final de conclusão, justamente por isso precisam estar, sempre, sendo alimentados. Não quer dizer, no entanto, que um fator externo não possa interferir em sua existência, mas ainda assim, o que vem do coração será sempre mais forte.

Isto talvez permita explicar a diferença no uso dos termos beleza e formosura. Enquanto o primeiro costuma estar associado a características físicas, o segundo se aproxima de aspectos, que, também, podem ser físicos. Um rosto harmonioso com olhos vivos com um corpo “em forma” tende a definir uma pessoa como bela. Ainda assim, pontos de vistas subjetivos podem diferir este entendimento de acordo com a preferencia pessoal de outrem. Por isso que alguns preferem loiros (as) enquanto outros, morenos (as). Um sorriso frequente, brilho nos olhos e braços abertos, por exemplo, marcam as pessoas formosas, e neste caso, independentemente de quem as vê, a formosura estará, certamente, por lá.

É verdade também que qualquer julgamento externo tende a possuir importância relativa para uma pessoa. Pelo menos deveria ser assim. Mas, cá entre nós, as pessoas formosas trazem consigo outras coisas ainda mais radiantes, que certamente só se aproximarão por conta disso.  Será que alguém, por exemplo, tem duvida da força motivadora que um sorriso, seja ele qual for, pode exercer dentro de nós e daqueles que nos cercam? Apenas após seu surgimento é que o sorriso receberá alguma característica relacionada a sua beleza. Pois é, a formosura foi a ignição, depois veio a chama, que poderá ser bela, de bem alimentada, até que se apague plenamente. Pois é a beleza se acaba, a formosura não e, muitas vezes, por mais paradoxal que possa ser, originará a própria beleza.

Estando, realmente, dentro de nós, é inegável afirmar que caberá a nós definir o que irá caracterizar a nossa formosura. O sorriso, talvez seja o mais obvio, não, necessariamente, o mais fácil. Quem sorrir... está formoso. Mas há mais alternativas. O brilho nos olhos tende a ser espontâneo e inteiramente revelador, pois quando vem, é inegável o que estamos expressando, e é coisa boa, estamos formosos. Nossa postura corporal tende a sinalizar interesse, disposição, ação, algo que não existe em pessoas belas, mas prostradas. Braços abertos, mais que o obvio, abraçar, aproxima a colaborar, voluntariar e afagar, também me lembra cafuné. Por falar nisso, que saudades da minha avó.