Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

A raiva nossa de cada dia.

Situações de aborrecimento, todos já vivemos.

Certamente em muitas destas ocasiões algo vem a tona.

Este algo que pode consumir uma pessoa de diferentes maneiras tem um nome, raiva.

Em algumas pessoas a raiva vem a tona com muita intensidade.

Às vezes ela tem um poder de combustão que nos cega.

Ah, também pode nos deixar surdos e mudos.

Há oportunidades em que os motivos parecem razoáveis.

Parecem?

Sim, cada um de nós sabe exatamente aquilo que nos afeta...e como nos afeta também.

Questões sempre muito particulares.

Algumas vezes até mesmo justas.

No entanto a forma como a raiva nos consome é a questão.

Será que realmente vale a pena.

Não, todos sabemos que não.

Mas ainda assim, o quanto é difícil nos controlar.

Algo muito próprio de cada um de nós.

Pois bem, não faz muito tempo estava no Metro e ouvi uma conversa entre uma senhora e um rapaz.

Ao que parecia, era apenas uma conversa entre uma estação e outra, isto é, eles não se conheciam previamente.

O rapaz parecia muito bravo (e não era com a senhorinha rs).

Ele tinha perdido o emprego, segundo ele, de forma injusta devido a algo que tinham “armado” com ele.

Ao que parecia, também tinha necessidades claras econômicas, com muitas contas para pagar.

A senhora começou a conversar com ele e perguntou:

- Se você ficar bravo conseguirá resolver esta situação?

Ele nem virou a cabeça para ela e ainda deu uma, pouco amistosa, “bufada”.

Parecia de saco cheio com a conversa da gentil senhora.

Como se nada tivesse acontecido, ela voltou a falar com ele:

- Meu menino, ao menos consegui fazer com que você tirasse, por poucos segundos que fosse, sua raiva pela situação e me colocasse como alvo. E este problema, no caso eu, será resolvido em minutos, pois chegarei a minha estação e sairei do vagão.

Ele, surpreso, não aguentou, deu outra “bufada” e uma gargalhada.

Mais do que isso, parecia renovado.

Deu um beijo na Senhora e a deixou na porta do vagão na estação de destino dela, que naquele momento já chegara.

Pois é, às vezes, mudar o foco de uma situação de extremo desconforto ou raiva pode ser parte da solução.