Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Lições Aprendidas em Tempos de Crise

A possibilidade de aprendizado é, certamente, algo comum em todas as pessoas. Deveria ser mais que isso. Seria interessante afirmar que a aprendizagem está presente em cada um de nós.

Infelizmente, ao que parece, o livre arbítrio está à frente de tudo, e permite que as pessoas, queiram, ou não, aprender. A verdade é esta mesma: querer ou não.

Talvez também existam aqueles que não conseguem aprender, mas certamente eles são a grande minoria, ainda mais quando consideramos o aprendizado informal ou tácito que é justamente aquele desenvolvido por conta da observação, experiência vivida e, até mesmo, do convívio com demais pessoas.

Diante disso, ao longo de nossa vida pessoal e profissional, por conta de tudo que passamos, são inúmeras as lições aprendidas potenciais e que, certamente, nos fizeram, e nos farão, evoluir.

Para muitos de nós, no entanto, estas lições aprendidas não passarão de meros registros de fatos e situações vividas. Realmente uma pena, mais que isso, um desperdício.

Só podemos considerar que estes registros se tornaram lições aprendidas, a partir do momento que os mesmos passarem a ser incorporados, ou ao menos considerados, em nosso dia a dia. Sem isso, não passará de uma mera lista de registros.

Metaforicamente seria a mesma coisa de possuirmos uma enorme estante cheia de livros, que só terá alguma valia efetiva em nossa vida a partir do momento que investirmos nosso tempo ao lê-los, e, mais que isso, que seus conteúdos passem a nos pautar, ou não, por conta dos conhecimentos obtidos. Isso mesmo, nem sempre, precisamos incorporar aquilo que aprendemos, em nossa vida, basta que possamos considerar esta possibilidade, daí já teremos uma lição e o devido aprendizado. Por outro lado, também é verdade, que podemos vender todos nossos livros, e obter um dinheirinho com isso, mas certamente seria a pior das opções.

Ao vivermos uma experiência desagradável, é inegável a oportunidade de obtermos importantes dicas e sugestões de como evitar que ela se repita, e/ou, caso, voltemos a nos deparar com a mesma, de sairmos melhor da mesma. Quando consideramos isso, enfim, temos uma, ou várias, Lições Aprendidas.

Por outro lado, uma vez presentes em situações de grande alegria e/ou sucesso, eis que nos é dada mais uma potencial oportunidade de aprendermos sobre como devemos agir tendo em vista perpetuar estes bons momentos. Ao desenvolvermos este entendimento, e fazê-lo presente em nossas vidas, eis que teremos outras Lições Aprendidas.

Infelizmente nem sempre isto é obvio e/ou está presente de forma natural em nosso dia a dia. É comum que passemos nossos dias de forma automática e rotineira, sem nos ater com o arcabouço de aprendizado que nos cerca. Isto mesmo, a rotina depende da forma como levamos nossa vida.

Em tempos de crises, muitos de nós tendemos a nos limitar, quase que nos apagar, como que se isso fosse uma garantia em prol de garantir eventual status favorável. Aliás, há até um velho ditado sobre isso, algo parecido como, “... macaco que pula de galho em galho, quer chumbo...”. Um pleno incentivo a ficarmos parados em um galho, que pode, por si só, quebrar e ir ao chão.

Se há algo que a história do mundo e porque não dizer, a nossa própria historia, de cada um de nós, já mostrou, é que os nossos melhores momentos foram vividos quando estávamos em movimento. Quando estamos caminhando, evoluindo, conversando, progredindo, enfim, longe de qualquer aparência estática, que terá valor, normalmente quando expostas em museus ou lugares afins. Mas neste caso, teríamos que ser estátuas.

Já vivemos isso em outras oportunidades, momentos de desalento, tristeza e falta completa de esperança, e se lembrarmos, a lição aprendida que nos fez sair desta situação foi entrar em uma, ou qualquer, rotina de movimento.

Isto valeu, certamente, na vida pessoal ou profissional de qualquer um de nós, e continuará a valer, caso ainda estejamos com a disposição e/ou o livre arbítrio, de querermos continuar a aprender.

Quando pararmos de aprender, nos limitaremos a termos uma estante de livros ou a estarmos expostos em um museu.

A escolha é nossa.