Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Quando não há dinheiro pra nada!

 O governo federal anunciou nesta semana - após a eleição -, que o número de miseráveis no país voltou a crescer. Já são mais de 10,45 milhões de pessoas vivendo na extrema pobreza. Mas, e você já passou por uma crise econômica profunda? Alguma vez você já esteve numa situação tão periclitante a ponto de não ter um centavo no bolso? Pra nada! Com a geladeira em casa parecendo um coco, só com água? Vivendo com chamado “zóião” – ovo! É possível que passagens assim gerem muito crescimento para alguns e desespero para outros. O mais racional é continuar a luta pela sobrevivência do jeito que se pode. A primeira sugestão é deixar a vergonha de lado e perseverar, mesmo com os percalços, no caminho do trabalho e da honestidade. A timidez nestas horas atrasa ainda mais a vida! As prisões estão cheias de cidadãos que chegaram à outras conclusões. Por isso estão lá: optaram pelo erro. 

Na bonança ou tranqüilidade nunca imaginamos o que se passa com as pessoas que nos cercam. Extremas dificuldades estão bem próximas da gente! Gente que perde carro, casa... Há pais de famílias abalados por frases inocentes vindas dos filhos. Uma delas pode ser: “Nós não vamos mais ao supermercado, papai?” Acontecimentos assim causam comoção em toda nossa trajetória na terra. Um chefe de família se sente tremendamente inútil. Abaladíssimo. Com vontade de chorar! É nestes episódios que descobrimos o amor ou o desprezo de alguns! Se existem os que abandonam, há também, de forma admirável, aqueles que ajudam sem se importar, sem exigir condição de troca. Não perguntam “o porquê” do fato e, simplesmente, se propõem ao auxílio. Advirto que nem sempre os “socorristas” são familiares! Surgem espantosamente entre amigos, “conhecidos” e até estranhos.  Há quem ofereça um cheque em branco para o necessitado. Isso é muito mais que um crédito! É amor fraternal, com desprendimento. Não acha? 

Recordo-me do depoimento emocionado de um colega de trabalho de Presidente Epitácio relembrando da época de gravidez da esposa. Sem dinheiro pra “comprar absolutamente nada”, ela estava desejosa de comer uma simples salada de tomate e repolho. E ele não tinha dinheiro algum! Ao serem convidados a um almoço de domingo, se depararam com a pretendida “iguaria”. Trazer novamente à memória episódios assim é testemunhar o verdadeiro poder que realmente existe sobre nossas vidas. O Criador não desampara aquele que nele crê! Pedimos um simples auxílio e o Criador oferece algo bem melhor para nós. Sempre procuramos pelas boas coisas da vida e costumamos esquecer as especiais. Devemos ser gratos a Deus por tudo...    

A evolução da humanidade, infelizmente, traz consigo a impiedade. Pensamentos precipitados e maus! O que se deduz hoje é: todo mundo é honesto até atrasar a primeira conta ou prestação. Na verdade, todos nós estamos sujeitos a passar por um dolorido aperto. Por um grande deserto. E no deserto é o lugar que Deus fala! E já vi também análises depreciativas que chegam ao campo da ofensa e da crueldade. Muitas pessoas trabalhadoras ganham pouco e ainda precisam ter paciência com o próximo, que as vê como “vagabundas” quando uma crise profunda chega.  Não é demais? Sem contar as honestas e probas ao pé da letra que são levadas às dívidas altas. Vão cobrindo um santo aqui, descobrindo outro ali e quando vêem, o valor evoluiu a um ponto quase impagável. O que era uma bola de tênis vira de basquete. A intenção era, sinceramente, quitar tudo! Erguer a cabeça, mas... Há pessoas que “aplaudem” aqueles que passam por isso. Sentem prazer com a desgraça alheia. Se o infausto não tiver uma boa explicação sobre como se chegou ao fundo do poço ou onde o dinheiro foi gasto, melhor. 

Cabe citar que tanto a crença, a conversão, como o desvirtuamento das pessoas acontece de forma progressiva. Estar sempre vigilante para não cair na tentação do gasto excessivo é um dos grandes obstáculos atualmente, já que a publicidade e o modismo nos põem na cabeça que tudo é essencial. E não é! Basta dizer que nossos antepassados viveram com bem menos e nos deram um gigantesco legado de conhecimento, bom exemplo e caráter que, infelizmente, a geração nova não tem como retribuir. Por isso, deve e muito! Mais do que possa supor ou calcular...