Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Quem pediu plebiscito?!

O marido e a esposa estavam passando por uma estrada rural para visitar alguns amigos. Passaram por uma poça de lama e o carro ficou atolado. Depois de alguns minutos de tentativas frustradas de retirar o carro, viram um jovem produtor descendo a estrada, conduzindo alguns bois. Ele parou quando viu o casal em dificuldades e se ofereceu para puxar o carro para fora da lama. O casal aceitou e minutos mais tarde o carro estava livre. O estancieiro disse ao homem: “Sabe, você é o décimo carro que eu ajudo a tirar da lama hoje.” O marido olha o produtor e, sem acreditar muito, pergunta: “E quando é que você tem tempo para arar sua terra? À noite?” O produtor respondeu: “Não!”. E complementou: “À noite é quando eu ponho água no buraco”. Moral da parábola do filósofo e economista escocês Adam Smith: existem muitas pessoas sempre dispostas a ajudar a resolver problemas, e existem outros que passam seu tempo tornando mais difícil a vida dos outros. E às vezes a mesma pessoa faz as duas coisas!

Na narrativa citada, o produtor de Smith é a cara da presidente Dilma Rousseff. O povo está pedindo uma coisa e ela está oferecendo outra. Ela quer um “plebiscito popular que autorize o funcionamento de processo constituinte específico para fazer reforma política”. Processo constituinte? Com esse grupo político corrupto que aí está? Dilma quer mesmo encher a poça de água... Só pode estar fingindo que tudo isso não é com ela. Seu discurso parece de alguém que subiu no palanque ontem e está almejando ser presidente do Brasil, coisa que ela já é. Ou são os mensaleiros Lula e José Dirceu que ainda mandam? Dilma, de momento, está perdida!

Frisei aqui na semana passada que o governo continua cometendo os mesmos erros. Quando é apertado, resolve abrir o cofre, distribuindo cala-bocas pelo país (e até com “sigilo estratégico” para Cuba e Angola para onde enviou US$ 3,5 bilhões!). Dilma anunciou que vai destinar “mais R$ 50 bilhões para novos investimentos em obras de mobilidade urbana.” É interessante: no Brasil quando dinheiro entra na parada o próprio político liga para um amigo ou um parente, cria uma empresa; ganha a licitação, pega o montante principal do dinheiro, terceiriza a construção entregando a obra para qualquer um fazer e o povo fica com as porcarias nas mãos. Quem está operando assim deveria ser imediatamente preso. Isso, sim, é crime hediondo! Vamos parar de omitir ou de dizer que isso não é o que nós estamos vendo?

É bom que fique claro: não precisamos de nova Constituição ou novo remendo de Constituição. Não precisamos de leis novas. Precisamos que as leis em vigor sejam postas em prática! Que funcionem! Que sejam cumpridas!!! Esse mais novo “pacote de bondade” sugerido pelo governo é apenas uma tentativa de esfriar os ânimos da população que não agüenta mais tanta cafajestice. Até vou esclarecer aqui: sou totalmente contra arruaceiros ou baderneiros que estão quebrando tudo por ai. Agora, agora... Se alguém não for “empurrado”, a coisa não sai do lugar, não. Tem políticos safados e velhacos que participam de falcatruas contra o povo e estão aí, ainda mamando nas tetas do poder. Esses têm que ser “empurrados”, sim! Nunca vi isso: o sujeito é condenado por roubar milhões e continua solto, se passando por vítima. Cadeia para esses ladrões do “mensalão” já, e o dinheiro todo de volta!

Agora, se a Dilma quer mesmo reforma política, aqui vão algumas sugestões: em todos os níveis de governo, corte de 70% dos cargos de deputados, senadores, vereadores e ministros. Por que 70%? Se a gente pedir “metade”, não leva nem 10%. Se pedir tudo, também não leva nada! Corte dos ministérios que efetivamente não estiverem produzindo nada. Ministérios que só tem siglas! Fim dos cargos de confiança. Quem quiser ser funcionário do povo deve passar por concurso e ter capacidade para a função. Não produziu, também, ra re ri ro... rua!!! Estamos vendo um bando de sanguessugas que só querem se locupletar das coisas públicas.  

Com os R$ 50 bilhões que ela quer liberar agora, assinou sua incompetência. É preciso ter capacidade de administrar os gastos. Chega de trambiques, bargantarias, cachorradas e de canalhices. Vamos parar de colocar água na poça... O povo está de saco-cheio dessas coisas!