Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Trabalhar de noite e descansar de dia

De acordo com os cientistas, a distância entre a terra e o sol sofre mudanças ao longo do ano; é variável entre 147 e 152 milhões de quilômetros. A luz solar demora 8 minutos e 18 segundos para chegar até aqui. Honestamente: não sei exatamente como são feitos os cálculos para se chegar a estes números. Não dá para imaginar que alguém pegou uma trena e confirmou estes dados. O que sei é que nos últimos dez anos, nunca vi algo tão incomodativo quanto à temperatura. Há um sol – ou mais! - prá cada cidadão...

Aqui, em Presidente Venceslau, bem pertinho da minha residência, uma casa está em construção. Um grupo de seis operários trabalha inclusive em alguns feriados, para que a obra seja entregue logo. Meu amigo... Estou vendo a casa ser erguida desde o princípio, debaixo de um sol bem prá lá de escaldante! Nem todos usam bonés ou chapéus, o que torna a visão ainda mais incrível. Por estes dias, a edificação passou pelo enchimento de laje. Começaram o serviço por volta das 9 horas da manhã indo até às 14 horas. As roupas de cada um, literalmente, encharcaram.

Desta observação, passei a pesquisar sobre como as altas temperaturas prejudicam o ser humano. Comecei a pensar - e peço ao leitor que o faça, também! – como seria o trabalho de um agricultor na roça, de um cortador de cana, de um operário que labute ao sol, de um calheiro em cima de um prédio, de um motorista de ônibus na cidade de Cuiabá e de um carteiro que ande 20 quilômetros por dia... Como diziam “os antigos”: “Deus me livre e guarde destas coisas!”. Infelizmente e silenciosamente, o calor vai fazendo suas vítimas. Os distúrbios provocados pela elevada temperatura começam numa pequena desidratação. Depois, arritmias cardíacas e alteração de pressão. De maneira excessiva e contínua provocam o derrame. Aí é tarde.

Já passou da hora dos políticos deste país pensarem com maior zelo sobre as condições destes trabalhadores, ainda que timidamente, algo parece que está-se alterando. Cogita-se que os carteiros possivelmente mudarão de horário. Em três cidades estão testando períodos novos de trabalho. As entregas de correspondências poderão ficar apenas para a parte da manhã. Mas, e para as outras classes de trabalhadores? Os sindicatos estão fazendo alguma coisa? Quem pode olhar para este problema e tomar alguma providência? As CIPAS?  Quem?

Nos idos anos de 1970, quando eu brincava e perambulava pelas ruas descalço, minha avó gritava: “Vem prá casa, menino. Sai deste solão quente, já!” Aquele “solão quente” há 40 anos, não queimava tanto como o de hoje. Atualmente, ficar exposto ao tempo, além de arder e sapecar a pele de maneira estranha parece que queima os ossos da gente por dentro. É algo inexplicável. É algo que nos incomoda, que perturba! Parece o sol do deserto. É algo que, pela nossa fraqueza, nos faz maldizer os altos céus. Vovó era inteligente. Orientava prá gente estudar bastante, se formar, ter uma profissão melhor, prá não “pegar boca quente”. Rsrsrs... Vovó era sabida! 

Outra tese interessante: o calor excessivo pode gerar descontrole emocional. A irritação e o nervosismo das pessoas são visíveis com a alteração da temperatura. Exemplo simples: na passagem pelos caixas de supermercados sempre encontramos alguém mais exaltado. Um cliente mais afoito! Além da natureza das pessoas, em parte isso é ocasionado pelo calor excessivo. O mundo moderno tem dado atenção ao ambiente e nos diz que “no último século os oceanos subiram 17 centímetros.” Os cientistas estão preocupados com ilhas que vão desaparecer e denotam pouco interesse em vidas humanas. Por outro lado, aos órgãos públicos de saúde Brasil fica a sugestão de que se faça pelo menos uma campanha para orientar as pessoas que trabalham ao relento. As altas temperaturas têm provocado mortes no Brasil que poderiam ser evitadas com a criação de horários alternativos. Até quando isso vai ser negligenciado?

Não jogue o lixo nas vias públicas. Não fume em qualquer lugar. Salvem o tamanduá-bandeira. Mas, cuidem também dos nossos operários...