Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Um meteoro sobre a igreja

No dia 12 de agosto de 2000, o submarino soviético Kursk, afundou nas águas geladas do Mar de Barents. Tinha uma tripulação de 118 marinheiros. Numa parte do submarino, houve uma explosão. As máquinas pararam! Muitos tripulantes ficaram numa outra parte da embarcação, ainda vivos, mas presos naquela estrutura de ferro, a mais de 100 metros abaixo da superfície. Um drama começou no mundo. Acompanhamos pela TV. Apesar de toda a tecnologia envolvida, eles continuaram presos. A pressão hidrostática ali é enorme. Isso esmagaria facilmente qualquer um que saísse daquele submarino. Tempos depois, no dia 25 de agosto, conseguiram resgatar os cadáveres daqueles homens. No bolso de um deles, um jovem comandante, havia uma carta que dizia o seguinte: “São 13, 15 h. Todo o pessoal das secções 6, 7 e 8 passou para o compartimento 9. Havia 23 pessoas aqui. Nós tomamos esta decisão aqui porque nenhum de nós pode escapar. Eu estou escrevendo esta carta no escuro!” O que percebemos é que nada pode ser feito quando se está sob a pressão do mar. A questão é ter um submarino que resista, porque não temos como diminuir a pressão do mar. Por analogia, também não há como diminuir a pressão que persiste sobre a igreja dos nossos dias.

As pesquisas apontam que o número de seguidores do Cristianismo no mundo ultrapassa a 1,9 bilhões, incluindo católicos, protestantes e ortodoxos. Fora doutrinas paralelas. Quando um escândalo surge, todo esse grupo sofre danos, direta ou indiretamente. A devoção experimenta um abalo perigosíssimo! Na essência, ninguém se beneficia disto embora alguns pensem - acometidos pelo orgulho mundano -, que estejam levando alguma vantagem. Ninguém está!!! 

Preste atenção: se perguntássemos hoje pelas ruas “o que o Cristianismo oferece?”, por certo encontraríamos inúmeras respostas como: melhorar a qualidade de vida; ter uma família espetacular; direcionar o homem na aquisição da prosperidade material; fazer com que se viva em paz; etc... Se fizéssemos a mesma indagação dentro da igreja moderna, é provável que a resposta não seria diferente. O que quero dizer aqui é simples. O que o Cristianismo oferece de fato é o Filho do Criador ao coração do homem. Essa resposta tem sido esquecida! 

Os últimos episódios divulgados pela imprensa a respeito de escândalos internos nos bastidores de várias igrejas nos últimos anos apenas nos alertam sobre a tragédia que é misturar a Palavra do Mestre com as coisas do mundo. E mais: outro problema do homem é querer mudar a agenda da igreja. Querer valorizar-se a si mesmo! O homem ama o dinheiro e quer usar isso na Palavra. Amamos viver em tranqüilidade e queremos usar isso no Evangelho. O que deve ser ressaltado no Evangelho é o valor de Cristo para a Redenção das nossas almas. Quando olhamos para o Mestre, devemos dar as costas ao erro. Ninguém serve a dois senhores. E mais: um dos principais poderes de convencimento vem do bom exemplo. Isso era o que o Mestre mais fazia e devemos fazer hoje. E sempre! 

Há poucos dias, assisti no site Youtube um sermão numa pequena igreja do interior do Brasil, que traz um alerta inacreditável. O pregador disse assim: “A igreja se deixou ser afetada pelas necessidades mundanas. Criou-se a ‘organização para jovens’. Por quê? Porque vamos fazer aquelas coisas que os jovens gostam; o que interessa aos jovens. E aí a gente pergunta: o que está em Deus que interessa aos jovens? Falemos disto! E o que interessa às pessoas adultas? Vamos criar organizações para idosos; irmandades femininas ou masculinas; irmandades culturais. Trabalhos específicos, por exemplo, com grupos de comerciantes. A Bíblia não tem livro dirigido especificamente para jovens, para mulheres ou para comerciantes. A gente acha que isso é uma boa idéia! A gente não pensa mais que na Bíblia está Deus. A igreja pensa que o seu próprio poder pode perpetuar sua vida. Ela esqueceu as Escrituras; esqueceu o Deus soberano; que a regeneração vem tão somente pela pregação da Verdade. Esqueceu de convencer o homem da justiça, do pecado e do juízo. Ela esqueceu a sua dependência do Criador! A igreja quer ser agradada pelo mundo.” Como no submarino, o que está no “bolso” da igreja não quer dizer absolutamente nada prá Deus. O Criador olha o que está no coração...