Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Vamos importar médicos... E políticos!

O camelo que defecou no rio... Um camelo atravessava um rio de rápida correnteza. Defecou, e viu então seu excremento passar por ele, levado pelas águas ligeiras. E disse: “O que vejo? O que estava atrás de mim ainda agora, eu vejo passando a minha frente!”

Moral da história: Isto se aplica a uma cidade ou país em que os últimos e os imbecis é que dominam em vez dos primeiros e dos sensatos. 

Doze séculos antes de Cristo, o fabulista grego Esopo já antevia algumas coisas que aconteceriam no mundo e, especialmente, no Brasil; de certo modo, usando mensagens cifradas, em muitos dos seus escritos os animais falam e têm características humanas. Quiçá não tenha visto o que hoje está ocorrendo com mais uma medida “extraordinária” do governo de contratar médicos estrangeiros para atuar no país. A intenção não passa de medida eleitoreira, das muitas que costumam fazer para entreter os mais humildes, que para essas coisas, acreditam em tudo depois que passaram a receber o famigerado donativo Bolsa Família. E defendem quem administra a Nação com unhas e dentes, por vezes, com duvidosa dignidade. 

Contratar médicos?! Como fazer isso com muitos hospitais, postos de saúde e centros de atendimentos ambulatoriais da periferia sem estrutura? Há casos grosseiros de falta de aparelhos de medir pressão; a coisa mais básica das básicas para se montar um simples consultório. Como fazer isso se há poucos dias vi uma reportagem sobre hospitais que receberam aparelhos de radiografia ou tomografia há anos que ainda estão encaixotados e enferrujando? Não quero ofender a crença de ninguém, porém as atitudes engendradas agora pelo governo só serão eficazes se estes médicos que virão de fora souberem “benzer” ou  fazer  cirurgias espirituais. 

Compreendo que alguma coisa precisa ser feita urgentemente para melhorar essa porcaria que aí está. Agora, o mais sensato seria começar por um balanço e uma fiscalização melhor nos gastos da área. Somente os tontos não vêem também que há grupos particulares com interesse na desestruturação deste setor e, que, parte deles está dentro do próprio poder público. Se investigarmos a fundo quem são os donos destas empresas, não acharemos nada de espantoso! Portanto, por interesses escusos, quanto menos funcionar o sistema público de saúde, melhor. 

Vamos ser francos também com nós mesmos: ninguém mais quer apenas ganhar bem; ter um bom salário. A pessoa hoje quer ficar rica, riquíssima na sua profissão! O que penso verdadeiramente: quem em sã consciência que está se formando hoje quer morar numa cidadezinha isolada, cheia de coronéis políticos e mosquitos da dengue, sem bons restaurantes, educação para os filhos, sem shopping, sem conforto, às vezes, até sem internet? Quem?!   

Além destes aspectos, é bom que se diga: precisamos de importar também políticos sérios e honestos. De caráter! Vamos aproveitar esse carreto de médicos que virão de fora e trazer no mesmo pau-de-arara alguns representantes públicos da Finlândia, Noruega, Canadá, Suécia... Queridos leitores, vocês já imaginaram aí nas suas cabecinhas se o Brasil fosse administrado pelos políticos do Japão? Pense! Repito: pense!!! Leve em consideração o tamanho que é e o que aconteceu com o Japão depois da década de 40! Foram bombas, terremotos e tsunamis! Como está o Japão hoje? Será que o Brasil conseguiria sair da crise moral e ética em que se encontra? Será que por metade do valor do salário e das mordomias que os políticos brasileiros têm, viria algum representante japonês ou de outro país morar por aqui? Pense...

Pelos dados do próprio governo, afirmo que a intenção da medida é extremamente duvidosa, até maldosa! O governo quer “beneficiar” 1.557 municípios. Destes, 1.042 estão no Nordeste. Ora... Dentro do governo há inúmeros representantes públicos de cidades pequenas nordestinas que estão em frangalhos. Não se trata de nada preconceituoso aqui. O raciocínio oportuno é uma lógica necessária! Muitos destes municípios estão em extrema penúria e vamos injetar mais dinheiro para ser descaradamente desviado?! Isso é imbecilidade...