Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

A escolha hoje é por medo...

Não podemos colocar rótulos nas pessoas e as condenar previamente. Existem bons homens na esquerda, na direita e no centro. O preconceito nunca fez bem a ninguém. O existir de políticos honestos, responsáveis e sérios dependerá em muito, da forma como for utilizado o nosso poder como eleitores. Parafraseando uma famosa citação: um povo que se corrompe nas urnas merece um governo corrupto. Se não aguamos ou adubamos uma erva daninha ela não se desenvolve, e por si só morre. O que estamos vendo diariamente sobrecarregar os informativos, não pode e não deve ser encarado como uma coisa normal, mas, um estado de exceção. Antes estávamos submetidos a uma ditadura militar, depois, a econômica; agora estamos no limiar da instauração da ditadura da total impunidade e tolerância ao erro. 

No presente e crucial ponto de nossa história política esperamos que surja um bom político que socorra a honra da nação brasileira, que foi salteada, despojada, espancada e deixada moribunda. Que ele tenha compaixão e patriotismo. Cuide das feridas do povo, com azeite e vinho. Zelosamente, pratique a justiça, e neste caso, tendo a paterna misericórdia e fazer  punir quem mereça, mesmo cortando a própria carne, imitando o salutar exemplo de uma sabedoria maior e onipresente, todo dia praticado. Só assim ele poderá ser o próximo e verdadeiro representante de nosso sofrido povo, afinal, milagres acontecem, principalmente no Brasil. 

As palavras lidas até aqui são do radialista e escritor amazonense Beto Tavarovsky e partem de um princípio: da Parábola do Bom Samaritano. Não há como discordar que o Brasil de hoje foi atacado por salteadores. Foi brutalizado sem misericórdia e roubado sem piedade! Está no momento, “meio morto”. Na história bíblica, vários homens passaram. Na narrativa em que estamos envolvidos, vários governantes passaram; foram eleitos e dispensados. Diria que nem todos ouviram falar das “Boas Novas”; optaram pela vaidade do poder, esquecendo-se do povo. E esse povo está, absolutamente, de saco-cheio de política e de gente que não presta!  

Agora, o eleitor mais vigilante sabe que não terá a plena compaixão dos políticos; as feridas expostas agora são de difícil cura e que isso só acontecerá com medidas duras. Ninguém que está no poder hoje tem coragem para tomar as medidas que são necessárias. Nem no Executivo e nem o Legislativo! E na área do Judiciário a contaminação é gritante; a justiça não impede as mazelas de quem está governando como também delas faz parte, infelizmente. O último desmando: o auxílio-moradia de quase R$ 5 mil coloca os representantes do judiciário no mesmo lamaçal, na mesma carniça da política. Talvez, pior ainda, já que são funcionários permanentes com altíssimos salários. A solução para tudo isso que vemos só pode ser feita de maneira amarga e por quem não almeje se perpetuar no poder. Passa pelo trabalho duro como se tudo estivesse realmente destruído e necessitasse ser levantado das cinzas. Como espelho, diria que carece de um toque oriental de perseverança. E eu já nem peço honestidade! Quero alguém que pelo menos roube menos. A população não agüenta mais sustentar tamanhas safadezas. Canalhices...  

Mesmo desiludido com tudo que temos visto e ouvido, ainda tive forças para pesquisar e relembrar um texto que publiquei aqui há anos, num período similar de pleito eleitoral. A sugestão é: “Não escolha pessoas boas. Comumente são manipuláveis! Delibere-se pelas justas e inteligentes; que não temam elencar inimigos para promover o bem. Indique quem se propõe ajudar a sociedade como um todo e não apenas o pobre. Não escolha os que dizem “ter sonhos”. Quem sonha o faz ao acaso e dormindo. Eleja os que “têm objetivos claros!” Manifestação consciente de pessoa que está acordada. Não vote em quem disponha a “dar” empregos e, sim, em quem pretende criar condições para iniciativa privada fazê-lo. Negue quem sinaliza conseguir mais verbas para a saúde. Opte por aqueles que se propõem a administrá-la. Valorize os que se comprometem com a educação concordando também em pagar melhor os professores. A dica é votar em quem tem um caráter similar ao seu, leitor. Você é o bom samaritano de si mesmo...